Susan Boyle  

 
 
 
Imagem colhida no Google
 
 
Um dia a vida mostra-nos aptidões, surpresas, e até dons ocultos para o mundo e para nós mesmos!. Muitas vezes deixamos abater-nos pelas adversidades e pelas condições de que dispomos, pela nossa aparência, pelo nosso físico ou até pela educação que conseguimos. Várias são as circunstâncias pelas quais nos estabelecemos a nós próprios sobre os padrões de vida a seguir. Vivemos mais ou menos felizes segundo padrões institucionalizados na sociedade, entretanto outras pessoas saltam para a ribalta apesar de se sentirem desprovidas de algumas "bênçãos", de requisitos para o estrelado, para ser famoso, notável...
Veja-se se vale a pena a lástima e a auto-comiseração... Em pleno século XXI vinda de uma pacata aldeia onde dedicou toda uma vida a cuidar da mãe, aos quarenta e oito anos sem ser privilegiada pela beleza, de cabelos descuidados que possivelmente nunca souberam que era um cabeleireiro, sem ter nunca desfrutado do prazer de uma relação aprofundada, por isso virgem, mais, sem nunca ter sido beijada por um homem, gorda de corpo e sem saber direito como fazer uma dieta  entra num imenso palco com uma plateia assustadora e sem se deixar intimidar perante os rostos que deixavam notar os mais diversificados sentimentos, e algumas "risadinhas" irónicas e até de descrédito e sabe-se lá o que sentimentos mais ela despoletou com a sua aparição sem produção ou "retoques" e iniciou uma prova para a qual, (sem as exaustivas preparações e ensaios de um manancial de gente que está por detrás dos "profissionais" do palco) ela por dom natural e por amor sabia que sempre sairia bem, pois não dependia do resultado da votação, o seu desempenho, para ela que seguia sendo SUSAN BOYLE, a aldeã importava mostrar que há verdadeiras maravilhas que estão ocultas, assim provou que: "Um diamante, já foi uma inóspita e disforme pedra sem qualquer beleza"!, surpreendeu todo mundo e em curto espaço de tempo, (100) cem milhões de pessoas se maravilhou com uma fenomenal interpretação de um tema de " OS MISERÁVEIS"  de Victor Hugo, cheia de segurança, de melodia e de afinação!

Por isso, não nos lamente-mos e faça-mos todas  as tentativas para descobrir nossos verdadeiros valores, pois podemos seguir lamentando a sorte ou redescobrir que a verdadeira felicidade não depende de qualquer menus valência nossa, sim da nossa atitude em relação a qualquer dificuldade. Assim seguindo exemplos como este e outros, por exemplo o mal encarado Mahatma Gandhi, Abraaham Lincoln ou mesmo o homem que tornou possível nós distinguir-mos as formas à noite, inventando a lâmpada, Thomas Edison ao qual o professor assegurou um dia que ele nunca aprenderia nada de jeito devido a sua inaptidão para os estudo. E mais recentemente um homem, "negro" tomou assento nos destinos de um país, seria impensável para muita gente
...
Conferi a prova de Susan Boyle AQUI!



 




Reblog this post [with Zemanta]

This entry was posted on domingo, abril 26, 2009 and is filed under , , . You can leave a response and follow any responses to this entry through the Assinar: Postar comentários (Atom) .

1 comentários

Linda história, lindo exemplo!